Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Da Fazenda para a Mesa

Escrito por José Valmei Bueno | Publicado: Sexta, 26 de Março de 2021, 09h08 | Última atualização em Segunda, 19 de Abril de 2021, 07h30 | Acessos: 181

Série de reportagens vai mostrar a produção de alimentos da fazenda-escola

Assista à reportagem

A Assessoria de Comunicação do Campus Inconfidentes (ASCOM) deu início à uma série de reportagens com o objetivo de divulgar os produtos alimentícios que são feitos na Fazenda-Escola do IFSULDEMINAS. O primeiro episódio da série "Da Fazenda para a Mesa" mostra a cadeia de produção de diferentes tipos de queijo.

Queijo: umas das iguarias mais tradicionais de Minas Gerais

Queijo parmesão, muçarela, nozinho e ricota. Estas são guloseimas, derivadas do leite, produzidas na Fazenda-Escola do IFSULDEMINAS-Campus Inconfidentes, e que chegam à mesa de consumidores de todo o Brasil. Por semana, são produzidos cerca de 110 quilos de variados tipos de queijo. A produção é comercializada na Cooperativa do Instituto Federal.

Os queijos são fabricados no laticínio da fazenda da escola. Logo pela manhã, o produto chega e os funcionários já começam o trabalho de tratamento do leite, como a análise físico-química. Em seguida é pasteurizado e, depois, a matéria-prima vai para o tanque. “O leite chega pela plataforma, analisamos e pasteurizamos”, explicou a responsável pelo laticínio, Fernanda Coutinho.

Um dos segredos para o queijo ganhar diferentes sabores é o tempo de maturação. O Parmesão leva 6 meses para ficar no ponto de consumo. Já os queijos reino, gouda, Prato e Minas Padrão são maturados em tempo menor: um mês.

Alimentação diferenciada das vacas

Tão importante quanto a fase de tratamento do leite é a etapa de alimentação das vacas leiteiras.

No setor de Bovinocultura, os animais recebem uma alimentação balanceada à base de silagem de milho e ração de soja, uma mistura de proteínas que as deixa bastante saudáveis. O resultado é o leite Integral, aquele que é tirado por meio de ordenha mecânica, canalizado sem contato manual e é refrigerado. “É uma matéria-prima rica em gordura. Todas as propriedades estão buscando o melhoramento genético. Nos últimos anos, o campus Inconfidentes tem buscado purificar a raça e isto tem impacto na produção do leite”, comentou o técnico de produção leiteira da Associação de Criadores de Gado Holandês de Minas Gerais, Adílio Rosário. Uma vez por mês, ele vem ao Campus Inconfidentes para analisar o leite.

Vinte vacas holandesas ficam em regime de confinamento para se atingir o máximo de produção do leite. Em média se tira dos animais, cerca de 400 litros de leite por dia. “O sistema de confinamento aqui é o free stall, em que o gado é mantido em camas individuais e num corredor e cocho coletivos para os animais caminharem livremente, conforme necessita as vacas de origem europeia”, disse o professor de Agropecuária, André Lema.

Enquanto as vacas são ordenhadas, o leite é conduzido automaticamente para dois tanques de expansão refrigerados de 1030 litros cada, a uma temperatura de 4 graus. Aqui, o leite pode ficar armazenado por até 3 dias. “A intenção do projeto é fornecer um leite de qualidade”, vaticinou o técnico em agropecuária, Cesar Junqueira.

Os queijos podem ser adquiridos na Cooperativa do IFSULDEMINAS, de segunda a sexta-feira, das 8h às 11h e das 13h às 17h. A Cooperativa está localizada na rua Cláudio Emanuel da Costa, nº 349. O telefone para contato é: 3464-1509.

 


Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

registrado em:
Fim do conteúdo da página